?>
http://buy-clomid-2013.org/ http://buylasix-2013.org/ http://buyonlinepriligy-2013.org/
24
Nov

4º Festival Complexo Aquático Unisul ocorre no dia 25 de novembro

Pelo quarto ano consecutivo o Complexo Aquático Unisul realizará o seu Festival Aquático, no dia 25 de novembro, a partir das 9 horas. O evento é gratuito e aberto ao público e pretende mostrar para a comunidade o trabalho realizado em 2017 nas modalidades de Natação e Saltos Ornamentais. Um dos pontos altos do evento é a apresentação dos “Aqualoucos”, que sempre levam muita diversão aos participantes.

O festival espera receber a participação de 600 crianças e adolescentes, entre alunos do projeto social da FME de Palhoça, Complexo Aquático Unisul e das Academias de natação convidas da Grande Florianópolis, podendo chegar a mais de 1.000 pessoas circulantes

Segundo Manuela Dias Vieira, colaboradora com Complexo Aquático, esta grande festa, que tem como finalidade o encerramento do ano, através da promoção da integração de distintas comunidades, incentivo a pratica esportiva e a experiência competitiva, de forma que todos saiam campeões. “É uma excelente oportunidade de aproximação do público dos nossos apoiadores e parceiros, de forma descontraída e muito animadora”.

Um dos diferenciais do evento são os Aqualoucos Unisul , grupo formado por professores, atletas mirim, atletas profissionais, acadêmicos e amigos que realizam uma apresentação artística com saltos inusitados da plataforma, 2017 trará o tema “Circus”.

As academias e escolas de natação da grande Florianópolis são convidadas e muito bem vindas, quem tiver interesse em participar é só encaminhar um e-mail para complexoaquatico@unisul.br.

30
Jul

Entrevista: Rui Gonçalves fala sobre o movimento de inovação em Palhoça

No dia 10 de julho, os empresários que compõem o grupo atuante do Inaitec receberam Rui Gonçalves para um bate-papo

Previsto para durar duas horas, o encontro seguiu até o meio dia, tamanho a expectativa dos participantes em querer ouvir um pouco mais. Muito generoso, Rui dividiu com os participantes sua experiência profissional de anos à frente do segmento de inovação, os desafios da vida pública enquanto gestor e algumas metodologias aplicadas em sua empresa, a Alto QI.

Para aqueles que não puderam estar presente ou que se interessam por inovação, abaixo segue a visão do Rui Gonçalves sobre o tema e sobre o forte movimento que Palhoça está criando neste segmento.

1) Como você avalia a importância do atual movimento de inovação em Palhoça?
É uma ótima iniciativa. Algo muito importante para movimentar a economia de Palhoça. É um grande exemplo para o estado de Santa Catarina. Existe um prefeito alinhado com as melhores práticas de desenvolvimento econômico, e um secretário de desenvolvimento muito atuante e com conhecimento de causa, alinhado com a política de desenvolvimento do estado.

2) Como esse movimento pode contribuir com Florianópolis e, sobretudo, Santa Catarina?
Pode ser um exemplo para Florianópolis, que apesar de ter uma economia bastante baseada na indústria de tecnologia, não tem dado a atenção devida ao segmento. Quem sabe a competição e o sucesso de Palhoça, desperte o interesse da prefeitura de Florianópolis por inovação e tecnologia.

3) Qual a importância do município de Palhoça ter um Centro de Inovação?
O mais importante é o movimento em si. Isto que está acontecendo em Palhoça é mais importante do que o prédio em si. Mas, um prédio é um símbolo para a cidade e para materializar todas as iniciativas inovadoras de Palhoça.

4) E como isso pode vim a refletir na imagem do município para se ter referência em inovação?
A Pedra Branca é um marco inovador para Palhoça. Um Centro de Inovação vai materializar esse movimento pela inovação. Será um portal de entrada e um local para o desenvolvimento da vocação do município pela indústria limpa.

5) Quais os movimentos necessários para isso?
União do trabalho e continuidade no movimento da prefeitura. Independente de políticos, uma política pública.

6) De que forma Palhoça pode se destacar como referência em inovação, considerando a forte atuação de Florianópolis?
O movimento em Florianópolis é maduro e forte. O que Palhoça pode contribuir é com políticas públicas e apoio da prefeitura com aprovação de leis que estimulem o empreendedorismo inovador.

7) Qual a importância de se ter um ecossistema em inovação?
Um ecossistema pressupõe múltiplas competências e ativos. Florianópolis já dispõe de vastos ativos que Palhoça pode atrair e ajudar na formação do seu ecossistema. Empresas, universidades, mão-de-obra qualificada, investidores e por aí vai. Palhoça pode se apropriar e fazer parte da região metropolitana da Inovação, principalmente, a partir do dinamismo de seus agentes públicos.

8) Deixe uma mensagem para aqueles que estão investindo em Palhoça, sobretudo, na Cidade Pedra Branca.
Palhoça sempre teve um dinamismo acima da media da região metropolitana. A Pedra Branca é um marco para o desenvolvimento sustentável de Santa Catarina e do Brasil. E com foco em Inovação, certamente vai alcançar patamares bastante promissores. O êxito de Palhoça é salutar para toda Santa Catarina.

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:
Gisele Machado – Diretora Geral – 48 8428-9920 (VIVO)
Ariana Moreira – Coordenadora de Redação – 48 9673-9612 (TIM)

Halo Comunicação – Agência de Comunicação Integrada
Redação: 48 3093-2027 | 48 9111-3062 (VIVO)
www.halocomunicacao.com.br | agencia@halocomunicacao.com.br
Facebook, LinkedIn, Twitter, Instagram, YouTube, SoundCloud, Prezi e Skype: halocomunicacao

19
Dez

INAUGURADA AVENIDA DA INTEGRAÇÃO QUE CONECTA PEDRA BRANCA E PAGANI

Com a proposta de melhorar a mobilidade urbana e proporcionar mais conforto e segurança, a obra, que beneficia nove bairros, conta com faixa de ciclovia e iluminação com instalações subterrâneas

Recentemente foi inaugurada a Avenida da Integração, uma importante ligação entre os bairros Pedra Branca e Pagani, que liga a Rua Vereador Jacob Knabem da Silva à Avenida Atílio Pagani, com conexões para outras localidades. O projeto foi criado e doado ao município por empresários da região em 2011, e executado pela prefeitura de Palhoça.

A obra, oficialmente batizada Avenida Alexandre Coelho, tem 575 metros de comprimento (14 metros de largura), pista dupla faixa de ciclovia, calçada de passeio e iluminação com instalações subterrâneas. Para um dos fundadores e, atual consultor da Cidade Criativa Pedra Branca, Valdir José Tomazzi “a obra, junto com as outras melhorias no entorno do bairro, contribuirão para o desenvolvimento da região. A ligação é planejada há anos e unirá os dois bairros que mais crescem em Palhoça, tanto em quantidade quanto em qualidade”.

Ao todo são oito bairros, além da Pedra Branca, que se beneficiam com a obra: Jardim Eldorado, Passa Vinte, Pagani, Jardim das Palmeiras, Madri, São Sebastião, Terra Nova e Aquarius. Tomazzi, ainda ressalta que “a avenida irá melhorar a mobilidade urbana, o que proporciona mais conforto e segurança para todas as pessoas que transitam entre os bairros”.

27
Nov

PIANISTA PABLO ROSSI FAZ APRESENTAÇÃO NATALINA NO PASSEIO PEDRA BRANCA

O espetáculo “Um conto de Natal – O Quebra Nozes”, encantou e surpreendeu as 500 pessoas que prestigiaram o evento

O Pianista de renome internacional, Pablo Rossi, apresentou no dia 6 de dezembro, no Passeio Pedra Branca, em Palhoça (SC), o espetáculo musical: “Um conto de Natal – O Quebra Nozes”. O evento foi aberto ao público e reuniu mais de 500 pessoas.  Além disso, a apresentação contou com a participação de 40 crianças do Coral Lírio Branco, de Palhoça.

A apresentação fez parte das atrações de natal do Passeio Pedra Branca, cuja abertura oficial foi realizada dia 22 de novembro e reuniu cerca de 5 mil pessoas. A programação completa da “Rua Encantada” segue até dia 21 de dezembro, com a presença do Papai Noel, interação com artistas circenses, espetáculos de mágica, feira de artesanato e muitas outras atividades. Já a decoração natalina no Passeio Pedra Branca se estende até o dia 6 de janeiro de 2015.

Pablo Rossi

Natural de Florianópolis (SC) e residente em Bruxelas, na Bélgica, Rossi conquistou dois importantes concursos internacionais, além de outros prêmios nacionais. O artista, que gravou seu primeiro CD aos 11 anos de idade com obras de Chopin, Bartók, Schumann, Tchaikovsky, Rachmaninoff, Shostakovich e Nepomuceno já atuou como solista frente a várias orquestras importantes, como a Sinfônica Brasileira, Câmara do Kremlin e Orquestra Sinfônica de Kirove.